Mariana Caló + Francisco Queimadela

Biografia

Mariana Caló (Viana do Castelo, 1984) e Francisco Queimadela (Coimbra, 1985) estudaram Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e trabalham como dupla desde 2010. Bolseiros da Fundação Calouste Gulbenkian em 2012 para residência internacional de artistas na Gasworks, Londres e Direcção Geral das Artes para o programa INOV-Art, que desenvolveram em Berlim, onde estiveram radicados entre 2008 e 2012.

Distinguidos com o prémio BES Revelação em 2012 e vencedores do prémio internacional Schermo dell'arte Film Festival em 2013. Finalistas do Prémio Novos Artistas, Fundação EDP (2013). Vencedores da primeira edição do Prémio Paulo Cunha e Silva em 2018. Em 2021 participaram na 34ª Bienal de São Paulo.

A sua práctica é desenvolvida através de um uso privilegiado da imagem em movimento tanto através da realização de filmes, como na intersecção com ambientes instalativos e site-specific em conjugação com desenho, pintura, fotografia ou escultura. O interesse pelo diálogo entre o biológico, o vernacular e o cultural são elementos recorrentes no seu trabalho.

Das suas exposições recentes destacam-se: Flor Fantasma,  CAV, Coimbra (2021); 34ª Bienal de São Paulo  - Faz Escuro mas eu Canto (2021); Other Times, Green Parot, Barcelona (2021); Corpo Radial, Galeria Boavista, Lisboa, (2020); Caos e Ritmo, CIAJG, Guimarães (2020); Colección Inelcom, Madrid (2020); Bienal Ano Zero, Coimbra (2019); Rudimental, Solar  - galeria de arte cinemática, Vila do Conde (2019); Meia-Noite, Cinzeiro 8, MAAT, Lisboa (2019); Sombra Luminosa, Escola das Artes, Porto (2018); Alfabeto Analfabeto, Monitor Lisbon, Lisboa (2018); Habitantes de habitantes, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto (2017) e Kunsthalle Lissabon, Lisboa (2016); A Trama e o Círculo, Museu da Imagem, Braga (2017)  ou O Livro da Sede, Museu de Serralves, Porto (2016).

Os seus filmes têm sido mostrados em festivais como: Festival dei Popoli, Itália (2021); Porto/Post/Doc Film Festival, Portugal (2020); Athens Avant-Garde Film festival, Grécia (2020), Kassel Documentary Film and Video Festival, Alemanha (2020); Berwick Film & Media Arts Festival, Reino Unido (2020); IndieLisboa, Portugal (2020); FIDMarseille, França; (2020); Documenta Madrid, Espanha (2019); Qamar Cinema, Wadi Al-Qamar, Jordânia (2019); IFFR – Deep Focus, Roterdão (2019); 25 FPS, Croácia (2018); New York Film Festival, EUA (2018); CurtoCircuito Film Festival, Espanha (2018). 

O seu trabalho encontra-se representado nas colecções municipais de Lisboa e do Porto, na Colecção Nacional de Arte Contemporânea, nas colecções de Serralves, António Cachola, Fundación Inelcom, e junto de colecionadores privados, nacionais e internacionais.